Sobre


Meu nome é Mônica e estou na faixa dos cinqüenta e poucos anos. Nos momentos de folga, tenho como hobby ficar trocando de hobbies, quase sempre ligados a pintura ou artesanato. Sou viciada em viajar, principalmente para a Europa. Para sustentar esse vício, foi preciso me transformar em disciplinada pesquisadora, garantido viagens baratas, com bom nível de conforto, e atualmente, procurando respeitar os limites de minha compleição física e faixa etária.

O blog surgiu como decorrência de minha evolução como “pesquiseira”. Quando voltava das viagens, obrigava os amigos a enfrentar intermináveis sessões de fotos e narração de causos curiosos. Acabei me transformando em “palpitóloga” e já ajudei alguns na montagem e na logística dos seus roteiros.

Tudo que aprendi, consegui de graça na Internet através de sites, fóruns de viajantes, onde a solidariedade e a disponibilidade de gente que nunca conheci me possibilitou viajar mais, para mais longe, mais barato e com mais confiança.

Hoje em dia o que não falta na Internet é informação, e de bom nível, para quem pretende fazer as malas e sair mundo afora. Não tenho aqui nenhuma pretensão de ineditismo. Escrevo para passar adiante as informações que recebi, eventualmente ajudando ou inspirando alguém que deseje viajar. É uma forma de agradecimento a tanta gente que anonimamente me auxiliou e, de quebra, exibir meu álbum de “figurinhas de viagem” – que, maravilha, ainda está incompleto.

Agradeço imensamente a Pedro Newlands por suas inspiradoras fotos, auxílio muito mais que luxuoso. Entram também no rol Cissa Rêgo, Aline Hollanda e Cadinho.

22 thoughts on “Sobre”

  1. Maravilhoso teu site, simples de navegar e muito intuitivo, com ótimos palpites e as fotos principalmente do Pedro nota mil.
    Parabéns!!!!!!!

  2. Muito obrigada pelo incentivo.
    Fotografia é realmente uma paixão na família. Quando tenho a sorte de ter a companhia do Pedro, sei que vou perder na escolha das fotos para o blog. Quem ganha são os leitores que ficam com as imagens mais bonitas…

    Valeu!

  3. Monica, descobri seu site essa semana e estou absolutamente impressionada! Enviei para você uma mensagem um dia de noite e no dia seguinte você já tinha respondido minha dúvida e de quebra me passado outras dicas e sugestões super úteis. Adorei entrar aqui e saber um pouco sobre você. Ajudar completos desconhecidos, como você faz com a maior atenção e paciência, é de fato um exemplo de solidariedade! Espero que você continue viajando e curtindo muito suas viagens e passando suas experiências aqui… Tenho certeza que você já ajudou muitas pessoas com suas preciosas dicas. Parabéns pelo seu ótimo site!

  4. Mais uma vez obrigada, Ana

    Como sempre fui ajudada por “completos desconhecidos” e nada mais justo do que poder eventualmente contribuir para essa “rede”. Embora o assunto viagem possar parecer um tanto supérfluo, acredito que quem se distancia de sua rotina e passa por uma boa experiência, volta sempre uma pessoa melhorada, com um olhar mais suave para si e para aqueles com quem convive. Isto faz bem a todos.

  5. Oi Mônica, parabéns pelo Blog!! Quando pensei já ter visto tudo sobre viagens , pois são tantas informações, tantos blogs, me deparo com seu. Informações surpreendentes, gostoso de ler, ver e se deliciar!! Fotos maravilhosas!!
    Um abraço

  6. Obrigada, Tania

    A finalidade do blog é realmente passar adiante a deliciosa sensação de conhecer lugares interessantes que nem sempre são lembrados quando se visita uma cidade. Suas palavras são um incentivo.

  7. Olá, Mônica,
    Adorei seu site e está nos ajudando muito a organizar nossa viagem de 30 anos de casados.
    Estou indo com o meu marido pela primeira vez para a Itália em julho.
    Chegamos em Londres, e ficaremos 4 dias depois Veneza e teremos 17 dias para a Itália.
    Pretendemos ir de Veneza -Verona – Bolonha – Cinque Terre – Firenze (com os tradicionais bate-volta) – Assis – Roma e voltaremos ao Brasil por Londres.
    Minha duvida é se vamos direto de Bolonha para Cinque Terre ou melhor ir para Firenze para ir a Cinque Terre. Detalhe pretendemos fazer todos os lugares de trem.
    Parabéns!!!!
    Obrigada

  8. Maria, os parabéns são para vocês pelo aniversário de casamento.

    Para chegar a La Spezia, perto de Cinque Terre, o trem sairá Florença. A escolha de partir de Florença ou Bolonha (neste caso, com troca em Florença) vai depender do destino seguinte.

    Partindo de Bologna Centrale até Firenze Santa Maria Novella a viagem leva cerca de meia hora em trem de alta velocidade. Passagens compradas antecipadamente têm bons descontos. De Florença (estação S M Novella) há duas opções: Trem regional,direto porém mais demorado (cerca de 2h40 minutos) ou trem regional até Pisa, e de lá um trem de alta velocidade (média de de 2 horas no total).

    Se a saída da Itália for, por exemplo, por Roma, talvez fique interessante Bolonha, Cinque Terre e Florença mesmo que seja necessário trocar de trem em Florença.

    Peço desculpas pela demora na resposta – Estava viajando e meu telefone ficou doente, atrapalhando bastante a comunicação.

    Não hesite em colocar suas dúvidas – Sabendo, respondo, e agora que estou de volta, mais rápido.

    Publiquei aqui no blog duas séries de posts (Cada uma com 30 sugestões) de bate-volta partindo tanto de Florença como de Bolonha especialmente dirigida a quem pretende fazer os passeios usando transportes públicos:

    http://viajantecronica.com/2013/09/25/30-bate-volta-de-florenca-e-como-chegar-la-sem-carro-parte-1-cidades-%E2%80%9Cmamao-com-acucar%E2%80%9D/

    http://viajantecronica.com/2015/04/11/31-bate-e-volta-partindo-de-bolonha-sem-carro-parte-1-cidades-mamao-com-acucar/

  9. Olá Monica!! Pesquisando sobre viagens, encontrei o seu site! Muito bacana as dicas, uma mão na roda, obrigado por compartilhar! Estava lendo sobre conexão, desculpa a pergunta boba, mas quando saímos do aeroporto, o que falamos para imigração?? E quando voltamos, vamos direto para portão de embarque? Nunca aproveitei as conexões, mas achei uma ótima ideia para economizar, estou pesquisando para fazer um mochilão, e estava pensando em aproveitar ida para Roma e conhecer Paris, e Atenas quando for de Roma para Turquia!
    Se vc for para o Japão e quiser alguma dica e eu puder ajudar, eis me aqui!! Bjo e obrigado :))))

  10. Obrigada, Camila

    A imigração é um procedimento simples, normalmente rápido, feito logo após o desembarque antes da coleta de bagagem na esteira. Na maioria das vezes o oficial apenas examina seu passaporte e carimba liberando o ingresso. É possível também que faça perguntas como o motivo da viagem, o tempo de permanência, sua profissão, o local da hospedagem, a quantidade de dinheiro trazida e se foi feito o seguro obrigatório (para os países Schengen). Quem está fazendo uma conexão já está liberado. A bagagem só precisará ser recolhida no destino final.

    Na volta para o aeroporto, ao ingressar novamente na área de embarque será necessário passar pelo controle de segurança (raio X). O cartão de embarque e o passaporte (que prova que você é a titular da passagem) também serão pedidos.

    Uma vez no espaço Schengen não será necessário passar novamente por imigração. A exceção na sua viagem será a Turquia, que por não fazer parte do tratado vai demandar visto de entrada (e saída). O procedimento é o mesmo e cidadãos brasileiros não precisam de visto prévio para entrar neste país.

    Obrigada pela oferta de informações sobre o Japão. É um lugar que tenho muita vontade de conhecer e adio por suspeitar que seja viciante.

  11. Bom dia, Mônica!
    Primeiramente parabéns pelo blog.
    Estou planejando uma viagem para a Europa em meados de Setembro, mais precisamente para Portugal, Espanha e Inglaterra. Tenho somente duas semanas e gostaria de focar em Portugal (Lisboa e Sintra), Espanha (Barcelona e Sul) e Inglaterra (Londres e umas cidadezinhas do interior). Posso tirar umas duvidas?
    No Sul da Espanha a gastronomia é boa? Principalmente a paella. Em termos de beleza, realmente na Espanha seria mais o Sul? Entre Barcelona e Madrid, qual vale mais a pena conhecer?
    Com relação ao tempo em cada lugar, como acha que devo dividir?
    Muito obrigada,
    Lika

  12. Obrigada, Lika

    É difícil decidir onde a culinária é melhor na Espanha – em todas as regiões é ótima e cada uma tem seus destaques. A fama da alta gastronomia na Catalunha com restaurantes considerados os melhores do mundo não é novidade… A notória Paella, por exemplo, tem suas origens nas proximidades de Valencia, mas isso não significa que seja ruim em outras regiões espanholas. Na minha opinião, as estrelas da Andaluzia são os tapas (apesar de não terem nascido lá) peixes e frutos do mar e os doces, muitos ainda confeccionados e vendidos em conventos em um sistema peculiar e tradicional. Fiz até um post sobre estas delícias:

    http://viajantecronica.com/2012/09/01/para-comer-rezando-doces-de-conventos-na-espanha/

    Em termos de beleza, fica difícil escolher uma região ou cidade – a Espanha é toda bonita, interessante e muito bem estruturada para receber turistas. Uma possibilidade interessante em sua viagem seria incluir panoramas e culturas contrastantes, como a Catalunha e a Andaluzia ou Castela-Mancha e o País Basco, por exemplo – tem tanta coisa bacana que não dá para exaurir em uma única visita. Ou seja: É bem complicado decidir.

    Sou muito suspeita para falar em uma escolha entre Madri e Barcelona. Gosto muito da primeira, mas meu coração pertence à capital catalã – minha opinião jamais seria honesta e imparcial.

    Quanto ao tempo em cada cidade, uso pessoalmente um método que começa com uma divisão por média simples dos dias disponíveis. Passo depois a consultar as atrações que tenho vontade de conhecer em cada uma delas e, tendo uma ideia mais clara de onde vou precisar ficar por mais tempo, faço um novo arranjo. Daí, consulto as datas e horários disponíveis bem como os preços dos transportes intermediários para uma afinação final. Embora nesta parte eventualmente perceba a necessidade de sacrificar algum destino, é neste momento que decido ou… mudo todos os planos. Apesar de cada um ter suas prioridades, para mim, é mais importante utilizar a maior parte do meu tempo em uma cidade do que dentro de um trem ou avião.

    Se você tem apenas duas semanas e quer conhecer todos os lugares mencionados, uma possível combinação seria destinar três dias a Portugal e seguir para Sevilha e Andaluzia ficando uns quatro dias – Dá para ir de trem ou ônibus de Lisboa até Faro, no Algarve mais ônibus – http://eva-bus.com/pdf/83__.pdf . Daí, Madri ou Barcelona de trem, três ou quatro dias e o restante para a Inglaterra.

  13. boa tarde Mónica, está a chegar á hora, infelizmente as coisas complicaram-se um bocadinho. vou a Paris de muletas, vou ter que andar de Uber não posso caminhar muito. vou tentar conhecer um pouquinho … espero que esteja tudo bem consigo . cumprimentos

  14. Que pena, Jose

    Espero que o fato de estar em Paris compense o inconveniente das muletas. Além do Uber, lembro que andar de ônibus (autocarro) possa ser também cogitado. Há varias carreiras com itinerários bastante interessantes, como as 52, 72, 80, 84 e 42. Aqui mesmo no blog há um post sobre as 63(Gare de Lyon a La Muette),29 (Saint Mandé a Gare Saint Lazare),86 (Saint Mandé a Saint Germain des Pres) e 69 (Proximidades da Torre Eiffel até o Cemitério Père Lachaise): http://viajantecronica.com/2011/06/26/cititu-pra-la-de-barato-v-%E2%80%93-paris/

    Estimo o pronto restabelecimento e, mesmo que em ritmo mais lento, que seu passeio seja memorável.

  15. boa noite Mónica, em primeiro lugar quero agradecer mais uma vez as dicas que me deu, em segundo quero-lhe pedir desculpa por não termos estado consigo pessoalmente mas como imagina foi um pouco complicado para qualquer lado que me deslocava era sempre de Uber… fica para uma próxima vez, sim uma próxima porque esta apesar de tudo adorei. Paris é lindíssimo . fui á torre eifell só pude ir até ao segundo andar e como estava a chover um bocadinho como estava de muletas não me deixaram subir até á parte mais alta, trocadero, champs elisèes, place concordia,notredame, bastille, Ópera Garnier(visita guiada) lindissimo…, Galeries Lafayette, adorei . no total gastei na Uber gastei 135 euros . obrigado mais uma vez . bjs tudo de bom para sí .

  16. Obrigada pelo retorno, Jose

    Fico muito contente em saber que a visita foi um sucesso, apesar das muletas. Torço para que esta incursão parisiense seja a primeira de uma série – o “vírus” já deve estar inoculado.

    O gasto com o Uber foi, no final, um investimento bastante barato pelo tanto que viabilizou em termos de mobilidade e conforto.

    Desejo melhoras e o pronto início do planejamento da próxima visita.

  17. Olá Monica,
    Odorei sua pagina, tudo muito explicativo e acolhedor.
    Eu e marido, estamos organizar uma viajem para a Croácia e gostaria de incluir a Grécia. Você acha viável? Também não conhecemos a Itália, poderemos dispensar até 20 dias.
    O que você acha?

  18. Oi e obrigada, Rosiane

    Apesar de tão próximos os países, as ligações entre a Croácia e a Grécia, por mar ou por terra, nunca são simples ou diretas – reflexo ainda remanescente do fim da antiga Federação das Repúblicas da Iugoslávia. A alternativa menos desgastante seria seguir em avião de Zagreb para Atenas, por exemplo.

    Sem voar, uma opção poderia sair da Croácia por Dubrovnik em um ferry até Bari, na Itália e de lá outro para a Grécia. Dependendo da estação do ano, acontecem partidas de Ancona, Bari e Brindisi para Patras. Há também saídas de Veneza e Trieste, porém com frequências menores. Algumas empresas que fazem o serviço:
    http://www.minoan.gr/en
    http://web.anek.gr
    http://www.grimaldi-lines.com/en/

    É importante também considerar na montagem do roteiro a época em que a viagem será realizada. No verão a disponibilidade de transportes nesta região aumenta e, em alguns casos, é unicamente quando algumas rotas são realizadas. Outro ponto que pode simplificar os deslocamentos (e reduzir gastos) é organizar a sequência dos destinos em função dos aeroportos de chegada e partida.

    Se seu período de viagem oferece mais 20 dias além da estada na Croácia, é um roteiro bastante viável. Procure apenas dedicar mais tempo “estando” do que “indo” para os lugares.

  19. Olá Mônica..
    Ainda vou pesquisar a respeito, mas so para confirmar, uma parada de 9hrs, consigo visitar a Torre Eiffel ne?

  20. Pretendemos, eu e uma amiga fazer um roteiro para Croacia, saindo de Roma,. gostariamos de saber qual o canal de contato com Monica para ela nos ajuda.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *