Mercado de Flores da Ilha de la Cité – Último de uma espécie em Paris

Compartilhe

Por ser endereço de marcos importantes da cidade de Paris, como a Conciergerie, a Sainte-Chapelle e a Catedral de Notre-Dame, é raro um turista não conhecer a Île de la Cité e entre uma atração e outra não passar pela Place Louis Lepine, onde funciona o mercado de flores.

Marché aux fleurs Reine Elizabeth II

Muitas vezes na pressa de entrar nos monumentos, o visitante passa batido pela praça e deixa de conhecer o maior e mais antigo mercado de flores de Paris, o último do gênero. Com sua configuração parcialmente coberta, é um lugar único e um pitoresco legado do início do século dezenove.

Marché aux fleurs Reine Elizabeth II

Dedicado às flores, o mercado que funciona desde 1808 é formado por três pavilhões paralelos com estrutura em ferro fundido, formando entre eles estreitas passagens. Com paredes em vidro, cada um dos estantes é praticamente uma “mini estufa”. Como parte da mercadoria fica exposta fora da loja, percorrer os corredores entre flores e plantas é uma experiência colorida, cheirosa e relaxante.

Marché aux fleurs Reine Elizabeth II

Em 2014, durante a comemoração do 70º aniversário do “Dia D”, Paris recebeu a visita da rainha britânica Elizabeth II. Em sua homenagem, o antigo mercado foi rebatizado e seu nome oficial agora é “Marché aux fleurs Reine Elizabeth II".

Marché aux fleurs Reine Elizabeth II

Aos domingos, as bancas de flores cortadas são substituídas pelo “Marché aux Oiseaux”, especializado em aves e até pequenos roedores e peixes. Para quem gosta de animais engaiolados, é uma interessante exposição de espécies raras e uma oportunidade de comprar acessórios como gaiolas e rações.

Marché aux fleurs Reine Elizabeth II

As bancas dedicadas a plantas e arbustos ornamentais, mudas e flores em vasos também funcionam aos domingos, oferecendo também floreiras, vasos, sementes e ferramentas de jardinagem. Os vendedores são amistosos e explicam com muito boa vontade como cuidar corretamente das plantas.

Marché aux fleurs Reine Elizabeth II     Marché aux fleurs Reine Elizabeth II

Embora um turista não possa trazer para casa plantas ou sementes (serão apreendidos), o mercado oferece uma enorme variedade de objetos decorativos e livros de jardinagem que vão embelezar a casa ou a varanda de quem gosta de plantas. Com preços abordáveis, são ótimas sugestões de presentes e uma alternativa criativa para substituir as echarpes e camisetas “I love Paris”.

Marché aux fleurs Reine Elizabeth II

Quem visita a cidade no mês de dezembro, deve passar por lá e conhecer o variado sortimento de guirlandas, enfeites e originais itens de decoração natalinos a preços corretos. Embora enfrentando o frio, já que o mercado é ao ar livre, no período mais próximo ao Natal, dá para fazer compras interessantes sem o estresse das lojas.

Marché aux fleurs Reine Elizabeth II     Marché aux fleurs Reine Elizabeth II

Apesar de ainda existam os mercados de flores da Place des Ternes e o da Place de la Madeleine, estes não passam de uma sucessão de floristas, igual a qualquer loja do planeta. O “Marché aux fleurs” da Île de la Cité é o único remanescente em Paris do gênero.

Marché aux fleurs  Reine Elizabeth II

O “Marché aux fleurs Reine Elizabeth II” funciona todos os dias da semana. De segunda a sábado das 08h00 às 19h30 e aos domingos, quando também tem lugar o “Marché aux Oiseaux”, até as 19h00. A bonita saída “Art Nouveau” da estação de metrô Cité na linha 4 fica exatamente na Place Louis Lepine. Não tem como errar.

Marché aux fleurs Reine Elizabeth II

4 thoughts on “Mercado de Flores da Ilha de la Cité – Último de uma espécie em Paris”

  1. lindo este lugar!! só conhecia os floristas das praças de Ternes e Madeleine. Vou anotar a dica para a próxima viagem.. gostei!

  2. Desculpe a demora, Dan

    Nem sempre consigo wifi decente quando longe de casa…

    É muito fácil dar uma passada por lá: Fica a uma quadra da Catedral de Notre Dame.

  3. Gostaria de algumas orientações/dicas. Farei um cruzeiro no Mediterrâneo que termina em 23 de julho, na cidade de Veneza. Tenho mais uma semana. Pensei em Verona, Milão e Florença, explorando os arredores, com bate e volta.
    Deixei dois dias para Milão, 2 para Verona e 3 para Florença. Nesses três dias de Florença, gostaria de ir à Montalcino e Montepulciano. Tinha muita vontade de conhecer cinque terre, mas acho que fica inviável, considerando os dias. O que vc acha?
    Ah, desculpe, mais uma pergunta: trocaria Verona por cinque terre?

    Abraço, Carmem.

  4. Olá, Carmem

    Sua viagem acontece em uma época bastante quente e, sendo alta temporada, os transportes,hospedagem e atrações são concorridos, o que pode demandar mais tempo para visitas ou passeios, além de uma definição prévia dos destinos pretendidos.

    Fosse eu a viajante, diminuiria um pouco a quantidade de cidades e daria prioridade ao que tivesse mais interesse. Se sua vontade maior é conhecer Cinque Terre, aproveite e vá.. Construa o itinerário considerando seu ponto de saída da Itália. Se for Roma, por exemplo, tire Verona e Milão ficando com Cinque Terre e Toscana. Caso seja Milão ou Veneza, exclua a Toscana.
    Visitar a Itália é um problema cuja solução é sempre satisfatória, não importa qual a decisão tomada. Apesar de sempre ser preciso abrir mão de alguma coisa, o que restar sempre valerá a pena. Poupe seu precioso tempo em menor quantidade de cidades – É muito mais interessante do que da janela de um trem.

    Se tiver alguma dúvida, não hesite em voltar. Se possível, deixe a mensagem em um dos posts que escrevi sobre a Itália. Seu comentário pode ser útil para outros que buscam informações sobre este país.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *